quarta-feira, 10 de julho de 2019

TOPONÍMIA VICENTINA
















Francisco Henrique Miorim e Jaime Caldas- Revista Cellula Mater


BITARÚ – Nocivo , prejudicial à pele.

CANEU – Lugar onde se fala língua de preto.

CATIAPOÃ – O mato em que os canários da terra cantam.

COTUPÊ – Morro que termina em ponta – ponta mais alta.

GOHAYÓ – Semelhante, parecido- gente branca do lugar.

GUAMIUM – Preto- Velho.

GUARAMÃ – Ninho do Guará.

GUARAÚ – Rio dos guarás (pássaro).

GUASSU – lugar grande, extenso.

IGUÁ- Bacia fluvial.

ITAIPU – Mar que ronca nas pedras.

ITAQUIMBOQUE – Mina de pedra de afiar.

ITARARÉ – Água (mar) que surge da pedra).

INDAIÁUVA – Bebida da palmeira Indaiá.

JAPUÍ – Lugar que mostra entra do mar ou porto.

PARANAPUÃ – Barra seca ou mar levantado.

PIAÇABUÇU –Lugar onde o vento faz a piaçaba se mover.

PIAÇAMIRIM – Piaçaba pequena.

POMPEBA – Cipó chato.

SAMBAIATUBA – Muitas conchas.

SAMARITÁ – Lugar árido, deserto.

SIRIRÍ – Pequeno inseto alado que precede o nascimento dos Içás.

SOCOARÊ – Lugar longe da cidade, várzea, mangue.

SIRIRY- rio dos siris.

TAGUÁ – Argila.

TUMIARU – Grande quantidade de judeus desterrados.

UMBUGUAÇÚ – Umbuzeiro grande.

VOTORUÁ – Dorso ou cume da montanha.

XIXOVÁ – Espeto, ponta, morro pontudo, coisa que se alarga ou se abre.